O portal de notícias de
salgueiro
PESQUISAR NO SITE
 

Salgueiro Atlético Clube News

Salgueiro Atlético Clube News
Salgueiro em 2017: Veja um balanço do ano do Carcará
19/09/2017 16:05

O Carcará termina o ano com o vice-campeonato Pernambucano e a quinta colocação do Grupo A, no Campeonato Brasileiro da Série C.

Por um ponto o Salgueiro não conseguiu entrar no G4 do Grupo A da Série C. A equipe pernambucana terminou a primeira fase na quinta posição, com 24 pontos. A vitória de 2 a 1 contra o Remo foi a última partida do Carcará em 2017. O ano, que poderia ter entrado para a história como o mais vitorioso do clube, termina com o vice-campeonato Pernambucano e a eliminação na fase de classificação do Brasileiro. Na Copa do Brasil, o Carcará perdeu para o Sinop-MT e foi eliminado no primeiro jogo.


Esperança e frustração no Pernambucano

O Salgueiro sobrou no Campeonato Pernambucano. Na primeira fase, apenas com times do interior, o Carcará do Sertão liderou de ponta a ponta. Em seis jogos, foram cinco vitórias e um empate. Dos 11 gols marcados pelo Tricolor salgueirense nessa fase, quatro saíram dos pés do atacante Willian Lira. A defesa sertaneja foi vazada apenas três vezes.

O bom desempenho no primeiro turno garantiu o Salgueiro no Hexagonal do Título do Pernambucano, com as presenças de Santa Cruz, Sport e Náutico. Central e Belo Jardim também brigaram pela classificação.

Superar os grandes da capital não foi problema para o Carcará. Assim como na primeira fase, o time liderou o Hexagonal do Título do início ao fim. A equipe do técnico Evandro Guimarães fez 23 pontos, com sete vitórias, dois empates e uma derrota. O Náutico, que classificou em segundo, fez 18 pontos.

Classificado, o Salgueiro enfrentou o Santa Cruz na semifinal do Pernambucano. No primeiro jogo, no Arruda, vitória da Cobra Coral por 1 a 0. A vaga na final foi decidida no Cornélio de Barros. Em casa, o Carcará bateu o rival por 2 a 0 e foi, pela segunda vez na história, para a final do estadual. A vaga na decisão garantiu o clube na Copa do Nordeste de 2018.

A luta do título foi contra o Sport. Pela primeira vez, um time do interior decidiu a final do pernambucano em casa. No entanto, após a primeira partida, na Ilha do Retiro, que acabou empatada em 1 a 1, o que parecia um sonho acabou virando uma intensa agonia para os salgueirenses.

O primeiro jogo foi disputado no dia 7 de maio. O Segundo, só foi realizado no dia 26 de junho, quase dois meses depois. Neste período, o Salgueiro perdeu o meia Valdeir, craque do time no Pernambucano, viu o Sport entrar com uma ação que impediu o uso de buzinas e cornetas dentro do estádio, uma das marcas da torcida salgueirense, e o elenco passou a se preocupar com a Série C, que havia começado no dia 15 de maio.

No tão esperado dia da final, o Salgueiro precisava de uma vitória simples para ficar com o título. O time balançou as redes do Sport, mas o gol foi anulado pela arbitragem, que, após consultar o árbitro de vídeo, uma novidade em competições oficiais no Brasil, invalidou, de forma equivocada, o gol marcado por Álvaro. Para piorar, na sequência, o Leão fez 1 a 0 com Everton Felipe e ficou com o título estadual, frustrando as pretensões sertanejas.

Altos e baixos na Série C

Após a partida contra o Sport, revoltado com o erro da arbitragem, o então presidente de honra do Carcará, Clebel Cordeiro, anunciou seu afastamento do clube. O dirigente era o principal financiador do Salgueiro. Sem Clebel, a situação financeira do Carcará, que já não era boa, ficou pior. A falta de dinheiro afetou o time. O elenco chegou a ficar com dois meses de salários atrasados.

– Nós temos isso aí e é fato. Nós temos uma dificuldade tremenda de receber o salário aqui e é uma força danada que fazem [diretoria] e a gente sabe a luta que é [ para pagar os salários ] – disse o técnico Evandro Guimarães, após o jogo contra o Remo.

Sem o título pernambucano e sem dinheiro, o Salgueiro tinha que se concentrar na Série C. Entre os dois jogos da final, o time disputou seis partidas do Brasileiro, tendo vencido uma, empatado duas e perdido três. O desempenho deixou o Carcará na lanterna do Grupo A. Naquele momento, o time aparecia como uma dos candidatos ao rebaixamento para a Série D.

A realidade do Salgueiro começou a mudar antes da partida contra o Remo, na nona rodada. Fora de campo, a diretoria anunciou que estava tentando uma parceira com o governo do estado para ajudar a quitar os débitos com o elenco e a comissão técnica. Dentro das quatro linhas, o time respondeu e conseguiu uma vitória surpreendente contra o Remo, fora de casa. O triunfo acabou com a série de seis jogos sem vitórias da equipe.

Depois da partida em Belém, o Salgueiro goleou o Confiança, em casa, e venceu o Moto Club, fora. A arrancada tirou o time da zona de rebaixamento, colocando-o na briga direta pelo G4. Na 14ª rodada, após bater o ASA, no Salgueirão, por 2 a 0, o Carcará entrou no grupo dos quatros melhores.

A classificação para as quartas de final tinha virado um sonho real. No entanto, os resultados contra Cuiabá, fora, Sampaio, em casa, e o CSA, fora, abalaram o time. Dos três jogos, o empate contra os maranhenses, no Cornélio de Barros, foi o que mais prejudicou o Carcará. Os pontos perdidos fizeram falta e nem a vitória na última rodada contra o Remo ajudou o Salgueiro, que em 2018 estará mais uma vez na Série C.

O Carcará se despede do Brasileiro com 24 pontos, sete vitórias, três empates e oito derrotas. A equipe marcou 19 gols e sofreu 16. Em casa, o Tricolor venceu cinco, empatou duas e perdeu duas. A artilharia do Salgueiro no Brasileirão ficou com o jovem atacante Álvaro, que marcou seis vezes.

O Salgueiro encerra o ano com 39 jogos, 20 vitórias, sete empates e 12 derrotas. A equipe marcou 50 gols e sofreu 29. O artilheiro do time no ano foi Álvaro, com 14 gols.

Pouca torcida

A presença do torcedor no Cornélio de Barros deixou a desejar m 2017. O time encerra o ano com a média de 1.661 pagantes por jogo. O número reflete a realidade vivida pela equipe após o fim do programa Todos Com a Nota, em 2015.

– Às vezes, você olha para torcida e não vê. Eu até brinco com os meus amigos e digo que para lotar [ o estádio ] tem que trazer Wesley Safadão, Anitta – desabafou Evandro Guimarães.

Seja o primeiro(a) a comentar!

Deixe seu Recado

Nome
E-mail
Mensagem
Enviar
Rua Martinho Luiz Vieira, Nº 236, Bomba - Centro - Salgueiro - PE - Tel: +55 (87) 3871-2007
sg10Salgueiro@hotmail.com